Medicina

Programa de Tratamento da Obesidade quer política de controle para alimentos industrializados


A obesidade é hoje uma das principais preocupações da OMS (Organização Mundial da Saúde), órgão das Nações Unidas que já fez diversos alertas sobre o problema de saúde que é a segunda maior causa de mortes no mundo. Este cenário também reflete a realidade do Brasil, onde as pessoas adoram a rapidez dos alimentos industrializados, o que acaba  se transformando em várias consequências ruins para a saúde, como o uso de inibidores de apetite, por exemplo.

No Brasil, cerca de 18,9% das pessoas estão obesas, de acordo com levantamento da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção de Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel).

Quais são as causas da obesidade?

São várias as razões que levam as pessoas ao extremo do sobrepeso. Mas uma das principais causas é a constante presença de alimentos industrializados nos hábitos da população, como destaca Cid Pitombo, coordenador do Programa de Tratamento da Obesidade do Estado do Rio de Janeiro:

“O Estado deve atuar na garantia do bom hábito alimentar em escolas, na orientação às famílias sobre correto uso de alimentos e no controle do acesso ao alimento industrializado, que claramente, por ser mais barato, de baixo valor nutricional e alto valor calórico, leva a um sério problema de saúde pública que é a obesidade. O Estado precisa intervir neste lado. Prevenção com hábito saudável de alimentação, mais acesso a possibilidades de atividade física na boa orientação às famílias”.

Além de várias causas, diferentes consequências

A alta taxa de mortes que resultam de deficiências na saúde provocadas pela obesidade é um problema global, como mencionado, mas os caminhos que podem levar à situação irreversível, são vários, entre eles está a recorrência aos inibidores de apetite. Mas essa procura por solução, tem um lado negativo bem maior que o positivo.

Já está mais do que provado por diversos estudos mundiais que a maior parte desses inibidores de apetite tem efeitos colaterais mais graves que o benefício da perda de peso”, argumenta Cid Pitombo. Para o especialista no tratamento da obesidade, o controle do acesso a esse tipo de medicamento deve ser responsabilidade do Estado, assim como a conscientização sobre os riscos de uma dieta que sempre inclua alimentos industrializados.

“O Estado deve determinar que essas medicações sejam de uso específico de clínicas especializadas, com profissionais extremamente habilitado e isentos de envolvimento com a indústria farmacêutica e, assim, tenham mais condições de propiciar um tratamento adequado com essas drogas. Sou radicalmente contra a liberação de medicamento para pessoas com sobrepeso e obesidade. Estão mais que comprovados que não tem boa funcionalidade. Daí que em países desenvolvidos, como nos Estados Unidos, a oferta dessa medicação é muito restrita”, explica Dr. Pitombo.

Não deixe de buscar orientação médica

A busca por melhorias na saúde é sempre positiva, mas é necessário ter o acompanhamento de especialistas. No Brasil, você pode contar com os hospitais membros da Anahp: Associação Nacional de Hospitais Privados. No estado mais afetado pela obesidade, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde (2013) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Santa Catarina, você pode recorrer aos Hospitais Baia Sul, Hospital Dona Helena e Hospital Santa Catarina – Blumenau.