#SuaSaúdeNaPandemia: sintomas que alertam sobre a hora de levar as crianças ao hospital

Durante a pandemia de Covid-19, muitas famílias estão evitando ir ao pronto-socorro mesmo quando os filhos têm sintomas mais graves. Nestes casos, porém, ficar em casa pode representar um risco maior para a saúde do que ir ao hospital, já que, quando finalmente recebem atendimento, as crianças apresentam um quadro mais avançado, como explica Thales Araújo de Oliveira, supervisor do pronto-socorro do Sabará Hospital Infantil, um dos maiores e mais respeitados centros de atendimento pediátricos do Brasil. 

Segundo registros do hospital, o número de atendimentos na emergência pediátrica aponta para uma queda de 75% no mês de abril. “Sabemos que, com a suspensão das aulas nas escolas, é natural que o número de infecções e traumas seja menor que o usual. Isso, aliado ao baixo número de casos graves de Covid-19 em crianças, justifica, em parte, a queda na procura pelo pronto-socorro pediátrico”, diz Thales. “Porém, as crianças continuam tendo doenças como câncer, diabetes e condições cirúrgicas, como apendicite”, ressalta. 

Para garantir a segurança dos pacientes, o Sabará mudou os fluxos de pronto-socorro e separou os casos de crianças com sintomas respiratórios e não respiratórios. Além disso, os funcionários do hospital passam por triagem ao entrarem no trabalho, com verificação de temperatura e resposta a questionário. “Todo esse cuidado e treinamento com os funcionários resulta também em mais segurança aos nossos pacientes”, afirma Thales.

Para ajudar a orientar as famílias, o supervisor do pronto-socorro do Sabará lista os sintomas que indicam a necessidade de procurar atendimento médico. “Se seu filho ou filha apresentar qualquer um desses sintomas, não hesite em ir ao hospital”.

  • Recém-nascido ou bebê que se encontra prostrado, ausente, com dificuldade respiratória, sucção fraca, com sangue nas fezes ou vomitando em grande quantidade. 
  • Se ficar roxinho (cianose) ou muito amarelo (recém-nascido com icterícia), ou se tiver febre (acima de 37,8º) ou queda de temperatura (abaixo de 35,5 / 36º).
  • Febre persistente por mais de 48h.
  • Diarreia: o principal problema é quando a criança fica desidratada. Os sintomas mais comuns da desidratação são lábios e língua seca, diminuição e escurecimento da urina, diminuição da elasticidade da pele, olhos fundos e prostração. Observe também se o problema não vem acompanhado de vômitos persistentes, sangramento ou catarro nas fezes.
  • Dor abdominal: persistente ou com piora progressiva; ou súbita e de forte intensidade; acompanhada ou não de vômitos e distensão abdominal.
  • Distensão abdominal com interrupção da eliminação de gases/fezes, podendo ter vômito. Vômito ou fezes que apresentam sangue vivo ou borra de café.
  • Quadros respiratórios associados a cansaço, chiado no peito e hipoatividade.
  • Quadros alérgicos: manchas na pele e coceira associada à dificuldade para respirar, tosse rouca, chiado ou inchaço nos lábios e garganta.
  • Intoxicação: sempre vá diretamente ao hospital. Não provoque vômitos e tente pegar o rótulo do produto para o médico ter mais detalhes que poderão ajudar no tratamento.
  • Convulsão: procure auxílio médico imediatamente.  
  • Também é importante estar atendo para o aparecimento de qualquer massa ou tumoração na virilha ou no escroto; aumento, vermelhidão ou dor testicular; ingestão de corpos estranhos e também a casos de fimose infeccionada ou acompanhada de dor.

Como evitar que a pandemia agrave quadros de doenças crônicas

Ao interromper o tratamento de uma doença crônica por causa da pandemia de Covid19, o paciente corre o risco de tornar uma enfermidade controlada em um quadro potencialmente fatal. Já quem ainda não apresenta um problema de saúde do tipo, mas tende a negligenciar alguns sintomas por medo de procurar o hospital, pode contribuir para um diagnóstico tardio – o que dificulta o controle da doença posteriormente.

Em entrevista ao portal, a vice-diretora clínica do Hospital Vera Cruz de Campinas (SP), Gisele Figueiredo Ramos, falou dos cuidados necessários para evitar o agravamento de quadros de diabetes, hipertensão e doenças cardiovascular, por exemplo, por causa da pandemia. 

Quais os riscos para um paciente com doença crônica que deixa de fazer o acompanhamento médico durante a pandemia por medo de se contaminar no hospital?

Gisele: Muitos pacientes que possuem doenças como hipertensão, diabetes, dislipidemia e doenças cardiovasculares, necessitam de um acompanhamento. A perda do seguimento e a interrupção de medicamentos de uso contínuo podem levar a um desfecho desfavorável. O paciente pode ter complicações da própria doença e chegar a um infarto ou AVC. Por isso é tão importante manter o seguimento dessas doenças crônicas no contexto da pandemia. 

Esse cenário pode refletir no aumento da incidência de doenças crônicas no futuro? 

Gisele: Com certeza. Pode aumentar o número de doenças crônicas em decorrência da falta de procura de assistência e de cuidados médicos nesse momento de pandemia – uma vez que os pacientes não estão procurando os médicos para identificar doenças, verificar a pressão, fazer os exames laboratoriais e identificar possíveis complicações e alterações na saúde. Por exemplo, a hiperglicemia no caso de um possível diagnóstico de diabetes. Quando o paciente procurar por atendimento, pode ser que esteja em uma fase já mais complicada, de difícil controle, exigindo internações mais prolongadas. Também ocorre que algumas pessoas estão ansiosas e estressadas em casa, sedentárias e se alimentando mal. Então, há ainda uma questão multifatorial contribuindo para o aumento no número de doenças crônicas. 

Quais sintomas acendem o sinal de alerta para possíveis complicações de doenças como hipertensão, diabetes e cardiovasculares? 

Gisele: É importante que os pacientes, quando perceberem algum sinal, algum sintoma diferente, procurem o atendimento médico. Entre esses sintomas estão emagrecimento, boca seca, aumento da diurese, dor no peito, perda de força em algum lado do corpo. Todos esses sintomas são importante e sinais de que é preciso procurar um atendimento médico. 

A telemedicina pode ser uma alternativa de acompanhamento para pacientes crônicos? Que tipo de monitoramento ela permite?

Gisele: A telemedicina é uma opção, sim, principalmente para a checagem de exame laboratorial, renovação de receita, solicitação de exames. Cada caso é um caso, e alguns precisam ser avaliados pessoalmente. Mas com certeza a telemedicina é uma opção nesse momento de pandemia. 

Como o Vera Cruz tem garantido a segurança no cuidado desses pacientes durante a pandemia?

Gisele: Aqui em Campinas, temos a unidade do Hospital Vera Cruz e também a unidade Casa de Saúde Vera Cruz. Para proteção e para continuar o seguimento dos pacientes de doenças crônicas, pacientes oncológicos, as emergências clínicas e cirúrgicas, para que pudessem continuar sendo atendidos de forma segura, optamos por montar um centro especializado de atendimento a pessoas com suspeita ou com diagnóstico de Covid-19 na Casa de Saúde Vera Cruz. 

Dessa forma, estamos conseguindo separar os pacientes com quadro respiratório, encaminhados para a Casa de Saúde Vera Cruz, e os pacientes que não têm quadro respiratório são atendidos no Hospital Vera Cruz. Assim, conseguimos dar continuidade no atendimento das emergências clínicas, cirúrgicas, cardiológicas e também no tratamento ambulatorial. Foi uma medida muito importante nesse momento, pois não podemos esquecer das doenças crônicas, que têm uma mortalidade altíssima, como as doenças cardiovasculares. Então, acabamos direcionando e garantindo um tratamento seguro para esses pacientes.

#SuaSaúdeNaPandemia: gestantes devem manter pré-natal e ficarem atentas a sintomas gripais

A gestação já é, naturalmente, um período cheio de dúvidas e expectativas para as famílias. Durante a pandemia, o medo de se contaminar por Covid-19 pode levar mulheres a adiar uma visita ao hospital ou os exames de acompanhamento. 

O portal conversou com a coordenadora do pronto-socorro de ginecologia do Vera Cruz Hospital de Campinas (SP), Vanessa de Souza Santos Machado, que explicou a importância de manter o pré-natal em dia mesmo durante a pandemia, e quais são os sintomas e cuidados aos quais as gestantes devem estar ainda mais atentas nesse período.

Qual o risco para a gestante que decide suspender o acompanhamento da gravidez por medo de se contaminar ao procurar um serviço de saúde?

Vanessa: A realização do pré-natal tem papel fundamental na prevenção ou detecção precoce de doenças maternas e fetais, permitindo um desenvolvimento saudável do bebê e reduzindo os riscos da gestante. Além de ser um tempo dedicado a sanar dúvidas em relação à gestação, parto, pós-parto e amamentação. Nesse momento de isolamento e ansiedade que estamos vivendo, um olhar integral à saúde física e mental da gestante é fundamental. Assim, a manutenção do pré-natal, coleta de exames, realização dos ultrassons e vacinas é muito importante e recomendado mesmo em época de pandemia.

Quais as orientações para as gestantes seguirem com o pré-natal em segurança?

Vanessa: Os cuidados não são muito diferentes da população em geral. A gestante precisa se resguardar, evitar contatos desnecessários e aglomerações, usar máscara cobrindo  boca e nariz ao sair para consultas ou exames. Também deve manter hábitos de higiene adequados, como lavar as mãos com frequência e usar álcool em gel, higienizar as compras, retirar sapatos e higienizá-los ao voltar da rua. As gestantes que apresentarem síndrome gripal deverão ter suas consultas e exames de rotina adiados em 14 dias e, quando necessário, serem atendidas em local isolado das demais pacientes

Quais sintomas são sinal de que a gestante precisa procurar rapidamente um serviço de saúde e que não podem ser negligenciados por medo de ir ao hospital?

Vanessa: Toda gestante deve procurar atendimento se tiver febre associada à tosse, falta de ar ou dificuldade de respirar. Além, claro, se apresentar qualquer sintoma relacionado à gestação, como contrações frequentes e rítmicas, perda de sangue, perda de líquido ou diminuição da movimentação fetal.

No grupo Hospital Care, do qual faz parte o Vera Cruz e a Casa de Saúde, as gestantes com sintomas respiratórios exclusivos são encaminhadas à Casa de Saúde – que se tornou uma espécie de “Covid Care”, blindando ao máximo nosso hospital e maternidade.

As gestantes fazem parte do grupo de risco para Covid-19? 

Vanessa: As gestantes foram incluídas no grupo de risco pela OMS (Organização Mundial da Saúde) há algumas semanas. Essa inclusão se deu por se tratar de uma população normalmente mais suscetível e com imunidade menor. Não existem evidências de que o novo vírus pode ser transmitido da mãe para o bebê durante a gravidez. Até o momento, o novo coronavírus não foi encontrado no sangue do cordão, no líquido amniótico, no fluido vaginal e nem no leite materno, e não se associou ao risco de maior gravidade em gestante. A melhor coisa a se fazer é tomar todas as precauções necessárias para evitar a contaminação pelo novo vírus.

#SuaSaúdeNaPandemia: a importância de manter tratamentos oncológicos e exames diagnósticos de câncer

Com o início da pandemia de coronavírus, o medo de se contaminar com a doença nos serviços de saúde tem levado pacientes com doenças graves, como o câncer, a suspenderem seus tratamentos. Também estão sendo adiados exames que poderiam resultar na descoberta precoce de um tumor, por exemplo, o que aumentaria as chances de cura. A Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) alerta para uma queda de 70% a 80% no diagnóstico de câncer por cancelamento de exames pelos próprios pacientes nos meses da pandemia.

O portal Saúde da Saúde conversou com o coordenador da equipe de oncologia do Hospital Vera Cruz de Campinas (SP), Paulo Eduardo Pizão, que explicou quais são as diretrizes internacionais para a manutenção do tratamento de pacientes oncológicos durante a pandemia. Ele apontou uma preocupação da comunidade médica para o possível represamento de casos câncer, que agravaria ainda mais o funcionamento dos sistemas de saúde no mundo todo.

Quais os principais riscos para um paciente oncológico que decide parar o tratamento por medo de se infectar com Covid-19 no hospital? 

Essa pandemia é uma situação que a medicina mundial considera inédita, e todos estamos ainda aprendendo com esses primeiros meses. Os casos têm demonstrado que o paciente oncológico que desenvolve a forma grave da Covid-19 tem uma chance maior de evolução desfavorável. É importante, obviamente, que o paciente esteja ciente disso. Porém, vamos lembrar que é apenas uma minoria que se contamina com o vírus e que desenvolve uma forma grave de insuficiência respiratória e da infecção. Então, não faz sentido abandonar o tratamento oncológico, deixar de fazer o controle do câncer por causa dessa possibilidade menor de desenvolver um quadro grave da Covid-19. Esclarecemos aos nossos pacientes que é importante, sim, manter o tratamento para controlar o câncer.

Muito importante, neste sentido, é o esclarecimento e o diálogo com o paciente. Há tanta informação disponível na internet, na televisão, que muitos ficam realmente confusos. Por isso, a equipe médica deve estar sempre disponível para tirar dúvidas não só dos pacientes, mas também dos familiares.

Quais são as orientações para os pacientes oncológicos durante a pandemia? 

Para quem está em vigência de tratamento – fazendo quimioterapia ou com cirurgia prevista, por exemplo – seguimos diretrizes internacionais e procuramos manter o tratamento, e não adiar. Esclarecemos para esses pacientes a importância de manter o cronograma, ao mesmo tempo em que tomamos todas as medidas no sentido de reforçar a educação sobre a necessidade da higiene das mãos, das medidas de distanciamento social etc. 

Além disso, no ambiente da clínica onde são realizados os atendimentos foram tomadas medidas no sentido de reforçar a higienização de superfícies e aumentar a distância entre as poltronas – não só da sala de quimioterapia, mas também na espera.

 Para os pacientes que já passaram pelo tratamento com objetivo de cura e que estão bem, assintomáticos e com exames bons, nós demos a opção de adiar o retorno de consultas e exames para a partir de agosto. Essa decisão também segue diretrizes internacionais, e o paciente que, por qualquer motivo, decidiu manter a consulta para agora, foi atendido. 

E para os pacientes em processo de diagnóstico, que precisam fazer vários exames, qual a recomendação? 

Estamos esclarecendo que, quando há uma suspeita de diagnóstico de câncer e indicação de exame de imagem, ou de uma endoscopia ou mesmo de uma biópsia, esses exames não estão sendo adiados. 

O risco do agravamento de uma doença como o câncer pode ser maior do que o risco do coronavírus? 

Sim. Inclusive, temos conversado com colegas fora do Brasil e existe uma preocupação a nível mundial de que, se não tomarmos cuidado, vamos viver dois problemas. O primeiro é a pandemia em si. E o segundo pode ser causado pelo adiamento desses diagnósticos de câncer, levando, talvez, a um represamento dos casos e até ao prejuízo do paciente por não ter um diagnóstico precoce. A orientação é que todo esforço seja feito no sentido de não deixar que esse segundo problema venha agravar ainda mais a questão do funcionamento dos sistemas de saúde no mundo todo.

Existe um fluxo de atendimento diferente para os pacientes com suspeita de Covid-19 no hospital? 

Sim. Nosso complexo hospitalar tem uma situação que considero privilegiada. Estamos em Campinas, onde a Rede Vera Cruz dispõe de dois hospitais: a Casa de Saúde e o Hospital Vera Cruz. Nesse momento, o Hospital Casa de Saúde foi designado como referência para Covid-19. Todos os pacientes oncológicos com sintomas respiratórios suspeitos de contaminação pelo vírus são orientados a entrar em contato conosco e, se for o caso, são direcionados a esse hospital – onde seguimos um protocolo específico para casos de coronavírus. Então, pacientes com suspeita da doença nem chegam a entrar na clínica onde são realizados atendimentos oncológicos, que é uma unidade separada dos dois hospitais. 

Tenho uma doença crônica. Devo evitar o hospital por causa do coronavírus?

Quem tem uma doença crônica está suscetível a desenvolver o quadro mais grave de Covid-19, causada pelo novo coronavírus. Mas, ao mesmo tempo, esse pacientes não devem deixar seus tratamentos sob o risco de terem complicações no quadro de saúde que podem ser fatais. As chamadas doenças crônicas não transmissíveis lideram as causas de morte no mundo – cerca de 38 milhões por ano segundo a Organização Mundial da Saúde.

“Cardiopatas, hipertensos, diabéticos, portadores de doença respiratória crônica, pacientes oncológicos em tratamento de radio ou quimioterapia, transplantados e pessoas com doença renal crônica, por exemplo, não devem suspender seus tratamentos e sempre procurar os serviços de saúde caso tenham qualquer condição de agravamento de sua doença”, afirma a infectologista e consultora da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), Camila Almeida.

A especialista afirma que os serviços de saúde têm adotado medidas para garantir a continuidade do cuidado de quem precisa com segurança em meio à pandemia de Covid-19.

“A estratégia utilizada pelos hospitais envolve a rápida identificação de pacientes com sintomas respiratórios e a separação dos fluxos de atendimentos a pacientes com Covid de outros pacientes. Toda rotina de realização de exames e procedimentos também estão sendo segregadas”, explica Camila.

Alguns hospitais destinam alas de internação e unidades de terapia intensiva somente para pacientes contaminados pelo coronavírus, evitando, assim, o contato entre pacientes que procurem o hospital por outras causas e minimizando o risco de infecção.

A infectologista explica que o paciente também pode adotar algumas ações que reforçam a segurança quando precisar ir ao hospital. A primeira delas é usar máscara, recomendação que vale para todas as pessoas que precisem sair de casa durante o isolamento social imposto pela pandemia. Também levar consigo álcool em gel para a higiene da mãos, principalmente após tocar em objetos hospitalares e compartilhados.

“Levar apenas um acompanhante, diminuindo a circulação de pessoas no ambiente hospitalar, e manter o distanciamento de um metro das outras pessoas em ambientes comuns, sempre que possível, também são medidas que protegem”, diz Camila.

A médica afirma que ainda existe muita especulação e medo sobre formas pouco prováveis ou inviáveis de contágio pelo coronavírus. “Alguns pacientes acreditam que a doença pode ser transmitida pelo ar dentro do hospital ou que o vírus possa atingi-lo somente de passar na calçada. Os pacientes precisam ser esclarecidos sobre as principais formas de contágio da doença, que envolvem o contato próximo e direto, principalmente com pacientes sintomáticos ou objetos contaminados com secreção de pessoas infectadas”, diz Camila.

As doenças crônicas são também responsáveis por um grande número de internações e, se os pacientes deixarem de fazer o acompanhamento, pode acarretar em uma outra sobrecarga do sistema de saúde futuramente. “A perda da qualidade de vida dos pacientes com o agravamento da doença também gera impacto econômico, não só com os gastos com internação, mas também com as despesas geradas em função do absenteísmo, aposentadorias e óbitos da população economicamente ativa”, analisa Camila.