Fim de ano na pandemia de Covid-19: recomendações para festas reduzidas e seguras

Grupos pequenos, de até 10 pessoas. Essa tem sido uma recomendação arbitrária para as celebrações de fim de ano em tempos de pandemia de Covid-19. Mas essa indicação, baseada no conceito de controle de danos, não dá conta de todos os riscos envolvidos. Por isso, o Hospital Israelita Albert Einstein publicou recentemente um material com recomendações mais detalhadas, elaborado pelo Centro Para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos.

“É importante que as pessoas tenham consciência de que todos são responsáveis pelo controle da doença e que, antes da organização de uma reunião familiar, é preciso ponderar sobre como cada um está se cuidando”, afirma Moacyr Silva Junior, médico infectologista do Einstein, em São Paulo.

Veja, a seguir, as recomendações do CDC, desdobradas em subtemas como convidados, alimentos, bebidas, viagens e pernoites, entre outros.

Pequenas reuniões de família e amigos:

Prefira reuniões pequenas, encontrando presencialmente apenas as pessoas que morem com você, compartilhe os mesmos ambientes e esteja tomando todos os cuidados para se proteger contra o novo coronavírus. Encontros pessoais que reúnem familiares ou amigos de diferentes famílias – incluindo pessoas que moram em outras residências ou cidades – apresentam vários níveis de risco para aumento da disseminação da Covid-19:

– Não devem participar dos encontros de fim de ano pessoas diagnosticadas com Covid-19, com sintomas da doença, que aguardam os resultados ou que tiveram contato com alguém com a doença nos 14 dias antes do encontro. Indivíduos que não aderiram de forma consistente às medidas de prevenção – distanciamento físico, uso de máscara contínuo, lavagem de mãos – representam mais risco do que aqueles que seguiram as medidas de segurança.

– Níveis elevados ou crescentes de casos de Covid-19 em determinadas comunidades, regiões, aumentam o risco de infecção e disseminação entre os participantes. Por isso, é importante que, antes de realizar um encontro, familiares considerem o número de casos em seus bairros e cidades e locais de procedência de seus parentes ou amigos e dos locais onde planejam se hospedar ou realizar as celebrações. Estas informações podem ser encontradas em sites das secretarias de saúde.

– Evite viagens de avião, ônibus e outros meios coletivos. Se não for possível, redobre os cuidados em aeroportos, rodoviária, paradas. Estes são pontos de grande circulação de pessoas com aumento das chances de exposição ao vírus.

– Reuniões em locais fechados, com pouca circulação de ar (ventilação) representam mais risco que do que encontros ao ar livre. Prefira a segunda opção.

– Dê preferência a encontros mais curtos e mantenha o distanciamento físico de outros participantes. Estar a menos de 2 metros de alguém com Covid-19 por um total de 15 minutos, mesmo que ela não apresente sintomas, aumenta muito o risco de adoecimento e requer quarentena de 14 dias.

Não há uma recomendação com limite de pessoas por evento. Por isso, são importantes o bom senso e o comprometimento de todos com a saúde. O tamanho das celebrações deve ser determinado com base na capacidade dos participantes de diferentes famílias ficarem distante pelo menos dois metros de outros, usarem máscaras, lavarem as mãos e usarem álcool em gel com frequência e seguirem as recomendações locais de saúde.

Alimentos e bebidas
É possível que uma pessoa se contamine com o novo coronavírus tocando uma superfície ou objeto, incluindo alimentos, embalagens de comida e bebida e utensílios de cozinha que contenham o vírus e, em seguida, toque nariz, boca e olhos. Por isso, é importante seguir as seguintes regras:
– Incentive os convidados a trazer suas próprias comidas e bebidas.
– Use máscara ao preparar e servir as pessoas.
– Limite o número de pessoas que entram e saem dos locais onde as refeições sejam preparadas, como cozinhas e churrasqueiras.
– Todos os participantes devem retirar a máscara somente quando estiverem sentados à mesa para comer e beber. Neste momento, ela deve ser guardada em um saco seco e respirável (como um saco de papel ou tecido de malha) para mantê-la limpo entre os usos. Ao se levantar da mesa, a máscara deve ser recolocada.
– Limite a aglomeração em áreas onde a comida é servida, fazendo com que uma pessoa distribua os alimentos individualmente nos pratos, sempre mantendo uma distância mínima de 2 metros da pessoa a quem está servindo. Evite bufês lotados e estações de bebidas.

Viagens e pernoites
Se a ideia é pegar a estrada, antes de fazer as malas, faça as perguntas abaixo e, se alguma delas tiver resposta positiva, a recomendação é adiar a viagem e ficar em casa. Viajar pode aumentar as chances de obter e propagar a Covid-19.

– Você, alguém da sua casa ou alguém que visitará tem maior risco de ficar muito doente  por causa da Covid-19?
– Os casos são altos ou estão aumentando em sua comunidade ou em seu destino?
– Os hospitais em sua comunidade ou destino estão sobrecarregados com pacientes que têm Covid-19?
– A sua casa ou destino tem requisitos ou restrições para os viajantes? Verifique os requisitos estaduais e locais antes de viajar.
– Durante os 14 dias anteriores à sua viagem, você ou as pessoas que está visitando tiveram contato próximo com pessoas com quem não moram?
– Seus planos incluem viajar de ônibus, trem ou avião, o que pode dificultar a permanência de 2 metros de distância?
– Você está viajando com pessoas que não moram com você?

Passar a noite fora ou hospedar familiares
Antes de dormir fora ou hospedar alguém é importante avaliar como será feita a viagem sua ou o do hóspede, se todos os cuidados preventivos foram tomados ao longo do tempo e, como serão os cuidados caso alguém adoeça. Além disso, alguns cuidados diminuem os riscos de contaminação:

– Lave as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos, especialmente na chegada.
– Use máscaras enquanto estiver dentro de casa. As máscaras podem ser removidas para comer, beber e dormir, mas os indivíduos de diferentes famílias devem ficar a pelo menos 2 metros de  distância uns dos outros o tempo todo.
– Melhore a ventilação abrindo janelas e portas ou colocando ar e aquecimento centrais em circulação contínua.
– Passe algum tempo juntos ao ar livre. Faça uma caminhada ou sente-se ao ar livre a pelo menos 2 metros de distância  para interações interpessoais.
– Evite cantar ou gritar, especialmente em ambientes fechados.
Trate os animais de estimação  como faria com outros membros da família humana – não deixe os animais de estimação interagirem com pessoas fora da casa.
– Monitore anfitriões e convidados quanto a sintomas  de Covid-19, como febre, tosse ou falta de ar.
– Os anfitriões e convidados devem ter um plano sobre o que fazer se alguém ficar doente.

(Fonte: Agência Einstein)

Conahp 2020: a vacinação precisaria ocorrer antes de março para se evitar a 2ª onda no Brasil

“O timing da vacinação contra a covid-19 será crucial para se prevenir ou não uma segunda onda em 2021 – o ideal é que aconteça no hemisfério sul antes da temporada de outono-inverno”, frisou Christopher Murray durante o Conahp 2020. O pesquisador é diretor do Instituto de Métricas e Avaliações em Saúde (IHME, na sigla em inglês), localizado em Seattle, nos Estados Unidos, e foi o convidado da plenária A Importância da Mensuração e da Análise de Dados no Combate à Pandemia.

Países como o Brasil teriam uma oportunidade que a Europa não teve para prevenir a explosão da doença antes de seus meses frios. “Infelizmente, os governos não se atentam para a sazonalidade como deveriam”, disse Murray. “A motivação política para as medidas de restrição costuma surgir muito tarde, quando os hospitais já estão lotados.”

As falas de Murray ocorreram em novembro, ainda no início do que vem sendo chamado de “repique” do avanço da pandemia em alguns estados do Brasil, o que levou alguns governadores a retomarem medidas restritivas de fases anteriores. Durante a plenária, a previsão do IHME era que o país chegaria a 188 mil mortos até março de 2021, se garantida manutenção do uso de máscaras pela maioria da população e as regras de desestímulo à circulação. Não foi divulgada a projeção de mortes caso essas medidas de segurança sejam negligenciadas. Em novembro, no Brasil, a mobilidade da população, medida a partir da geolocalização dos aparelhos de celular, já era apenas 10% menor que a percebida no “antigo normal”, antes da pandemia.

Em suas previsões, o IHME considera uma série de fatores além da circulação urbana, tais como: o uso de máscaras, as medidas restritivas adotadas pelos governos, o número de testes per capta, a sazonalidade, o índice de poluição do ar, a incidência do tabagismo na população, a densidade populacional e a até a altitude da região, já que a mortalidade tende a ser menor em localidades mais elevadas em relação ao nível do mar.

Segundo Murray, o IHME previu o pico da primeira onda ao redor do mundo de forma muito efetiva, mas estimava uma desaceleração mais rápida, o que gerou um aprimoramento em seus modelos de estudo. Agora o instituto consegue fazer previsões dos números de contágio e mortes com dez semanas de antecedência com uma margem de erro de 20%, a menor de que se tem notícia na categoria. Suas pesquisas utilizam dos números de centros de monitoramento do mundo inteiro, além de dados comportamentais (autodeclarados) gerados pelo Facebook.

De acordo com o programa de pesquisas da rede social, o estado mais “mascarado” do Brasil é São Paulo, com índices de adesão que variam entre 65% e 69%, mas o melhor desempenho é o do Distrito Federal, com uma oscilação entre 70% e 74%. O estado brasileiro com menor índice de usuários que declararam usar a proteção é o Maranhão, com índice inferior a 45%. No país (entre usuários do Facebook), a hesitação em relação à vacina é relativamente baixa, variando entre 10% e 19%. Em países do Leste Europeu e da África, essa desconfiança chega a 40%.

Conahp 2020: como e por que a telemedicina chegou para ficar

Ainda relativamente tímida no Brasil até o início da pandemia de Covid-19, a telemedicina vem crescendo exponencialmente nos últimos meses, trazendo consigo uma série de vantagens que devem garantir sua persistência depois deste longo período de isolamento social. O assunto foi desenvolvido no Conahp 2020 – Congresso Nacional de Hospitais Privados, durante plenária “Preservando a relação médico-paciente na era das tecnologias disruptivas em saúde”, com Eduardo Cordioli, gerente-médico e de operações de Telemedicina do Hospital Israelita Albert Einstein.

“A teleconsulta é apenas a ponta do iceberg”, afirmou o convidado, ao explicar que a telemedicina também inclui a troca remota de informações entre médicos (interconsulta) e o acompanhamento do paciente a distância (telemonitoramento), entre outros formatos. “Quando a telemedicina é somada à inteligência de dados podemos falar num conceito ainda mais amplo, o de saúde digital.”

Durante a plenária, Cordioli compartilhou a evolução dos números do Einstein. Em 2017, o hospital realizava uma média de apenas um atendimento online por dia, performance que dobrou em 2018. Em 2019, já eram quatro por dia. No início de 2020, antes da pandemia, a média já havia saltado para 60 teleconsultas ao dia. A pandemia acelerou essa tendência de alta, com um índice que hoje pode chegar a 1 mil atendimentos online diários.

“O coronavírus foi um catalizador de algo que já estava acontecendo”, frisou o gerente-médico, ao citar uma pesquisa realizada no ano passado pela American Well, empresa de Boston especializada em telemedicina. Estima-se que 64 milhões de pessoas nos Estados Unidos estariam dispostas a trocar seu médico por outro que aceitasse realizar consultas online.

Além da segurança em tempos de pandemia – e da comodidade em tempos “normais” –, o teleatendimento tem como outra grande vantagem a facilidade de acesso, conforme Cordioli também explicou, com dados do Hospital Israelita Albert Einstein.

Localizada no bairro do Morumbi, na zona sul de São Paulo, a instituição alcançou este ano cerca de 2 mil municípios, em todos os estados da federação, além do Distrito Federal. Em outras palavras, 92% dos atendimentos realizados pelo hospital em 2020 até agora não teriam como ocorrer de forma presencial.

Conahp 2020: o burnout como problema das instituições, não das pessoas

A síndrome de burnout é uma condição depressiva aguda, decorrente do esgotamento físico e mental causado pelo excesso de trabalho. É um problema sobretudo contemporâneo, que ocorre nas mais diversas carreiras, mas que, durante a pandemia, se tornou ainda mais recorrente entre profissionais de saúde. Por isso, o Conahp 2020 – Congresso Nacional de Hospitais Privados dedicou uma plenária ao tema, intitulada Burnout inevitável: a exaustão dos profissionais no pós-covid-19.

“É comum que uma pessoa com o problema tenha uma percepção muito negativa de si mesma – contudo, o burnout não é um problema individual, mas sistêmico”, enfatizou, logo na abertura, o médico Lewis Kaplan, presidente da Society of Critical Care Medicine, organização internacional sem fins lucrativos sediada em Los Angeles, na Califórnia. “O profissional acha que é ele quem precisa mudar, quando na verdade o problema maior está nas condições de trabalho.”

O médico André Fusco, responsável técnico pela área de Saúde Ocupacional do Itaú Unibanco, concorda que há, de fato, uma tendência social a culpar a vítima. “Quando uma pessoa sofre um burnout, a gente tende a olhar para as características dela. Tem labirintite? Será que leva uma vida equilibrada? Tem resiliência? Medita? Faz atividade física? Dorme direito? Tem problemas pessoais?” Esse foco no indivíduo minimiza as responsabilidades das empresas.

É nesse contexto que se criam hoje as chamadas “salas de descompressão”, espaços de descanso e lazer dentro dos escritórios, com sofás, jogos e lanchinhos, e os chamados programas de relaxamento, “para ‘consertar’ o profissional, em vez de se olhar para o que o está comprimindo”. Para Fusco, essa mesma mentalidade elege figuras “heróicas” nas empresas, colegas que vivem sobrecarregados, ficam sempre depois do expediente, trabalham madrugadas e fins de semana adentro.

“São profissionais muito valorizados por sua resiliência, esforço e dedicação, o que acaba transformando a sobrecarga num valor”, alertou Fusco. Ao mesmo tempo, esses “heróis” sofrem de exaustão, privação de sono, falta de qualidade de vida e tempo para seus afetos. Segundo o especialista, há de se lembrar que resiliência é, na prática, um conceito taylorista. Ou seja, parte da premissa de adaptar as pessoas ao trabalho e, não, o trabalho às pessoas. “Não que resiliência seja algo ruim, mas é preciso nos perguntarmos: por que precisamos de tanta?”

Também participou da discussão o médico Eurípedes Constantino Miguel, chefe do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP. Ele coordenou um programa de saúde mental voltado ao cuidado dos profissionais de saúde da linha de frente do Hospital das Clínicas, em São Paulo, durante a pandemia. As ações desse programa podem inspirar outras iniciativas no mundo corporativo para além do campo da saúde e incluem: conscientização institucional, melhora nas condições de trabalho, estímulo à atividade física, educação emocional, rodas de conversa e acesso a meios de assistência à saúde mental.