Prevenção

A importância de ir ao ginecologista em cada fase da vida da mulher

Qual o momento certo para levar minha filha ao ginecologista? Adolescente, que ainda não iniciou a vida sexual, deve trocar o pediatra por este especialista? Estou na terceira idade, ainda preciso ir regularmente ao ginecologista? Se em algum momento da vida, você já teve algumas destas dúvidas, fique tranquila. Você não está sozinha!

Neste post, vamos esclarecer porque é importante contar com o apoio deste profissional ao longo de toda a vida da mulher.

O ginecologista Eduardo de Souza, do Hospital São Luiz Anália Franco, diz que antes de tudo, a mulher precisa saber que o ginecologista deve acompanhá-la durante toda sua jornada, independentemente da idade. “Isso porque temos uma visão ampla sobre sua saúde, realizando triagens para identificar possíveis alterações físicas e direcioná-la para profissionais de outras especialidades como, por exemplo, um endocrinologista, gastro etc. Também cabe a nós indicarmos a prática de atividades físicas para melhorar um problema de saúde, orientarmos sobre engravidar, acompanhar a gestação e qualquer outra alteração que ela venha a sofrer durante sua vida”, explica o médico.

Crianças e adolescentes

Hoje em dia, aos 9 anos, as meninas tomam a primeira dose da vacina para se proteger do HPV. Esta vacina pode ser dada pelo ginecologista e este pode ser um momento de iniciar a rotina ginecológica da mulher.

“Quando criança, é importante que a mãe fique atenta aos primeiros sintomas da puberdade, como o surgimento de pêlos mais grossos nas axilas e região íntima, além do despontamento do broto mamário. Outros sintomas como puberdade precoce ou tardia também já podem ser acompanhados pelo ginecologista. Depende do encaminhamento do pediatra. É importante acompanhar com atenção as alterações que ocorrem nesta fase de desenvolvimento”, afirma o profissional.

O especialista acrescenta que as adolescentes têm iniciado a vida sexual cada vez mais cedo e este é um alerta para as mães. “A mãe deve buscar o apoio de um médico para acompanhar o desenvolvimento completo da sua filha. Este profissional vai ajudar, inclusive, nas orientações sexuais em relação a métodos contraceptivos. Além disso, é fundamental que se inicie a realização de exame preventivo, como o papanicolau, que começa a detectar o câncer de colo de útero, permitindo um tratamento precoce e aumentando a chance de cura”, diz.

Adulto

Na idade adulta, caso a mulher não queira engravidar, continua sendo importante contar com o ginecologista para lhe orientar sobre métodos contraceptivos. Além disso, a partir dos 40 anos, é recomendado que realize exames de mamografia. “O papel do ginecologista é fundamental também nesta fase da vida da mulher. Nesta etapa, avaliamos os possíveis surgimentos de miomas, problemas com TPM e até endometriose. Assim, podemos ajudar no processo de formação da menstruação, dependendo do caso”, acrescenta Souza.

Terceira idade

Engana-se quem pensa que na terceira idade não é mais importante contar com o acompanhamento de um ginecologista. “Nesta etapa da vida da mulher é fundamental a realização de exames preventivos e de avaliação de aspectos da osteoporose e da pós-menopausa, por exemplo”, explica o médico.

Portanto, não adie mais a visita ao ginecologista.