Prevenção

A longo prazo, home office pode aumentar incidência de doenças

8 de setembro, 2021
Segundo especialistas do Hospital Santa Catarina – Paulista,  regime de trabalho à distância contribui para o surgimento de problemas físicos e psicológicos
De acordo com um levantamento do Ipea, de novembro de 2020, cerca de 7,3 milhões de brasileiros trabalham, atualmente, de forma remota, o que representa cerca de 9,1% da população ocupada e não afastada. Dados de uma das maiores plataformas de busca de vagas do país apontam que, também em 2020, as ofertas para regimes flexíveis aumentaram 309%.
No entanto, com a adoção em longo prazo do home office, surgem alertas para novos hábitos que, quando não monitorados adequadamente, podem levar a incidência de complicações físicas e psicológicas envolvendo diversas especialidades.
Confira cinco possíveis impactos do home office prolongado na sua saúde:

1 – Visão

Segundo o Dr. Victor Cvintal, oftalmologista do Hospital Santa Catarina – Paulista, a exposição a monitores por longos períodos pode levar a determinadas repercussões oculares, “como uma eventual diminuição na frequência do piscar dos olhos, que pode acarretar em uma instabilidade da qualidade de visão”, explica.
Sintomas
Secura e ardor. Quando utilizados por períodos prolongados, estes dispositivos podem alterar determinados aspectos da visão, como a capacidade de enxergar de perto. Já nas crianças, estimulam a miopia.
Prevenção
– Pisque o olho de vez em quando para garantir um nível de lubrificação adequado, além de usar lubrificantes para estabilizar a lágrima;
– Faça pausas a cada 20 minutos no trabalho, evitando o uso da visão para perto por 20 segundos;
– Pratique atividades diárias ao sol;
– Posicione seu monitor a um braço de distância, ligeiramente abaixo da linha dos olhos, sem que o brilho da tela compita com a luz ambiente.

2- Ergonomia e sedentarismo

O cenário pandêmico eliminou temporariamente a necessidade de locomoção ao trabalho. Para muitos, sair para trabalhar envolvia breves caminhadas que contribuem para a manutenção do sistema musculoesquelético. Ortopedista do Hospital Santa Catarina – Paulista, Dr. Renato Sorpreso alerta ainda que a utilização de ambientes residenciais como escritório gera situações ergonomicamente desfavoráveis.
Sintomas
Dores no pescoço, lombar, dorsal, braço, antebraço, mãos, entre outras regiões.
Prevenção
– Mantenha uma rotina de atividades físicas, na proporção de 5 a 7 dias por semana, acumulando de 210 a 400 minutos no período indicado.

3 – Alimentação

Atenção ao consumo excessivo de determinados tipos de carboidratos. Os chamados carboidratos simples, que incluem mel, açúcar, xarope de milho e farinhas, ao contrário dos carboidratos complexos, não possuem um nível relevante de nutrientes, vitaminas e fibras.
Sintomas
Endocrinologista do Hospital Santa Catarina – Paulista, o Dr. Ricardo Rienzo afirma que um dos primeiros sinais é o risco de aumento das triglicérides, que contribuem para o armazenamento de energia. “Quando os triglicerídeos se encontram em alto nível no sangue, a probabilidade para o desenvolvimento de doenças cardíacas aumenta”.
Prevenção
– Pratique atividades físicas;
– Opte por uma dieta balanceada, em que os carboidratos correspondam a, no máximo, 60% das refeições individuais. No caso dos açúcares, recomenda-se que componham 5% das refeições.
– Anote seus hábitos alimentares: a prática pode contribuir para o monitoramento adequado.

4 – Cardiopatias

A permanência em casa por longos períodos pode levar ao sedentarismo, facilitando a incidência de complicações que geram maior vulnerabilidade às cardiopatias.
Sintomas
De acordo com o Dr. Nilton Carneiro, cardiologista do Hospital Santa Catarina – Paulista, a inatividade pode levar ao sobrepeso, descontrole dos níveis de pressão arterial, glicemia e colesterol. “Todos esses itens são fatores de risco para desfechos cardiológicos mais graves como infarto, arritmia ou acidente vascular cerebral”, alerta.
Prevenção
– Mantenha uma rotina organizada, que contemple a prática de atividades físicas;
– Tenha uma dieta balanceada, monitorando o consumo de bebida alcoólica e alimentos gordurosos;
– Previna-se com consultas periódicas. “Há diversos recursos digitais que podem ajudar no agendamento, por meio da telemedicina”, recomenda o especialista.

5- Saúde mental

Para a chefe da equipe de psicologia do Hospital Santa Catarina – Paulista, Giovana Rossi Lenzi, o home office em longo prazo pode causar uma sensação de confinamento. “Por permanecerem em um único ambiente, as pessoas acabam trabalhando com uma carga horária superior em comparação com o cenário pré-pandemia, gerando um esgotamento maior. Muitos alteram a rotina de sono e alimentação, o que impacta diretamente no estado de saúde física e emocional, e na produção de hormônios que regularizam e geram bem-estar no organismo”.
Sintomas 
Quadros de estresse agudo.
Prevenção
– Busque o equilíbrio entre atividades profissionais e recreativas;
– Crie estratégias de autocuidado, como a segmentação de determinados ambientes no espaço residencial, a fim de separar, física e mentalmente, as tarefas laborais dos momentos de lazer e descanso.
Fonte: edição do texto original do Hospital Santa Catarina.