Bem-Estar

Amamentação em público: Conheça os benefícios para mãe e bebê

O período de gestação para cada mãe é um momento mágico, certo? São nove meses de preparação e ansiedade para finalmente segurar o seu bebê no colo. Mas assim que esse momento se realiza, surge um novo desafio: a amamentação. Um tópico que está cada vez mais em debate, não só entre mulheres, e sim na sociedade no geral, assim como a amamentação em público.

É comum algumas mulheres sentirem receio em alimentar seus filhos em público, outras já não se importam em parar onde estiverem para dar de mama. E nem deveriam! Para se ter uma ideia, o movimento a favor da prática está reunindo líderes de diversos países para estimular esta ação, além de fortalecer os benefícios da prática de amamentar.

Segundo a ONU, a expectativa é que os países membros da organização aumentem para 50% a taxa de bebês que recebem leite materno como alimentação exclusiva, pelo menos até os seis meses de idade.

Como a amamentação pode ajudar a mamãe?

Alguns benefícios da amamentação já são bem conhecidos. Entre eles, temos a diminuição na taxa de natalidade, algo próximo aos 98% de proteção nos primeiros seis meses. Mas o que poucas mães sabem sobre a amamentação é:

  • Ela reduz a depressão pós-parto;
  • Possui um efeito protetor contra o câncer de mama e de ovário;
  • Ajuda a reduzir o risco da mulher desenvolver diabetes tipo 2;
  • Protege a mãe contra doenças cardiovasculares, segundo estudo realizado pela Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos;
  • Consome até 800 calorias por dia (mas também aumenta o apetite);
  • Segundo um estudo, publicado pela American Journal of Obstetrics, o ato de amamentar reduz o risco da mulher desenvolver síndrome metabólica (doenças cardíacas e diabetes), logo após a gravidez.

Quanto tempo dar mama para o bebê?

Outro assunto que deve ser levado a sério, além da quebra de tabu da amamentação em público, é o período de alimentação do bebê apenas com leite materno. É fundamental lembrar que esse alimento é o mais completo, equilibrado e indicado pelos médicos, justamente por suprir as necessidades de nutrientes e sais minerais da criança.

Se possível, a Organização Mundial da Saúde (OMS) indica a amamentação com leite materno de forma exclusiva até o 6º mês, e recomenda a continuidade até os dois anos de idade. Isso porque a prática desse exercício colabora principalmente para todo o sistema imunológico da criança, além de prevenir alergias, obesidade e outros problemas.

Os benefícios do leite materno para o bebê

Falando mais sobre os filhos, a OMS lembra também dos anticorpos que são encontrados no leite da mãe e não estão presentes em outras fórmulas. Isso porque o alimento fornecido pela mulher contém uma molécula chamada PSTI, responsável pela proteção e reparação do intestino dos recém-nascidos.

Só hoje, apenas 38% dos bebês são alimentados unicamente com leite materno. Número que acende um alerta para outra causa: a ausência ou insuficiência da amamentação contribui para o aumento na taxa de mortes de criança por ano, cerca de 800.000 mil.

Amamentação em público e a quebra de tabu

Se pararmos para pensar, a prática da amamentação em público tem suas origens na antiguidade, antes mesmo de se tornar um tabu na sociedade. Mas agora, junto ao forte movimento de mães que estão reivindicando seu direito de amamentar o filho, o Senado Federal aprovou uma lei que veda o constrangimento de mulheres que dão mama em público.

Considerado um enorme passo para o fim e quebra de tabu, a lei reivindica esse direito de amamentação em lugares públicos, sejam eles de natureza estatal ou privada (praças, pontos de ônibus, restaurantes, etc). Ou seja, se o estabelecimento permitir a livre circulação de pessoas, está liberada então a prática.

O Senado também considera como ato ilícito civil aqueles que proibirem a prática em tais locais, além de atitudes ofensivas, discriminatórias, repressoras e constrangedoras. Um avanço que fortalece o movimento das mães para a amamentação em público e o desenvolvimento sadio e afetivo de seus filhos.