Especial Coronavírus

Aumento de casos de Covid lotam hospitais: saiba como agir

7 de janeiro, 2022

Hospitais Anahp registram aumento de 655% nos casos de Covid-19 e 270% de Influenza

O ano de 2022 começou já registrando um grande aumento de casos de Covid. Após os encontros e viagens de final de ano, o número de exames positivos para coronavírus disparou por diferentes regiões do país. Como consequência, hospitais particulares e públicos estão com prontos-socorros cheios.

Uma pesquisa da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) mostrou que o aumento no número de casos de Covid-19 entre os hospitais associados à entidade foi, em média, de 655%, desde dezembro de 2021. Algumas instituições chegaram a relatar aumentos maiores que 1000%.

Além do coronavírus, outra preocupação é o surto de Influenza. O levantamento da Anahp mostrou uma alta, em média, de 270% no número de casos, também sobrecarregando as instituições. Em muitas cidades brasileiras, hospitais estão com espera de várias horas para atendimento no pronto-socorro.

Para ajudar a orientar a população sobre o que fazer em caso de sintomas gripais, a Anahp divulgou importantes recomendações, inclusive sobre quem deve procurar atendimento no pronto-socorro dos hospitais. Confira:

· Devem procurar o pronto-socorro apenas os pacientes com: sintomas persistentes, falta de ar, febre persistente, tosse intensa ou com doenças crônicas pré-existentes.

· A população deve manter rígidos os cuidados com a utilização correta de máscara, o distanciamento social e a higienização adequada das mãos.

· Aqueles que estiverem com sintomas leves ou assintomáticos devem priorizar a busca por atendimentos ambulatoriais (por exemplo, consultas médicas, preferencialmente via telemedicina). Assim, o paciente se protege de uma exposição desnecessária dentro de ambientes como hospitais, que devem ser utilizados para o atendimento de pessoas com sintomas mais severos.

· Ao passar por uma consulta, o paciente será avaliado clinicamente e terá a indicação médica correta sobre a necessidade ou não de testagem, assim como de qual tipo de teste é o mais adequado de acordo com os sintomas que apresenta.

As orientações divulgadas pela Anahp foram listadas por Vania Rohsig, Superintendente Assistencial e de Educação do Hospital Moinhos de Vento e Coordenadora do Grupo de Trabalho Organização Assistencial da Anahp, e Priscila Rosseto, Gerente-executiva de Qualidade, Segurança e Práticas Assistenciais da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, e Coordenadora do Grupo de Trabalho de Melhores Práticas Assistenciais da Anahp.