Arquivo da tag: atividades

#AnahpOrienta: como se proteger do coronavírus em atividades ao ar livre

Na última segunda-feira (13/7), a prefeitura de São Paulo permitiu a reabertura de alguns parques. Como a pandemia de covid-19 ainda não está controlada, esses locais voltam a funcionar com restrições de horário e de atividades – os esportes coletivos, por exemplo, estão vetados. E quem pretende voltar a fazer atividades físicas nos parques também deve seguir uma série de medidas para não colocar a própria saúde em risco, nem a dos outros. 

Em entrevista ao portal, o pneumologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo José Rodrigues Pereira explicou que os cuidados básicos para evitar a transmissão da doença continuam os mesmo: uso de máscara, higienização das mãos – se possível com álcool em gel – e manter o distanciamento social de pelo menos dois metros entre uma pessoa e outra.

Pereira ressalta que o ambiente aberto é mais indicado para a prática de atividades do que o fechado, para diminuir as chances de contágio. “Durante a atividade física, existe uma hiperventilação e essas gotículas [que podem transmitir o vírus] podem ser eliminadas numa distância maior. Além de ser muito comum tosse para eliminar secreções que, com a hiperventilação, ficam mais espessas por causa do ressecamento das mucosas das vias aéreas”, explica. 

Mas o especialista alerta que o risco de se contagiar ainda existe: “A máscara tem que ser utilizada tanto por quem está fazendo atividade física quanto por quem está apenas passeando em ambientes como os parques”.

Segundo Pereira, durante uma corrida, por exemplo, uma pessoa sem máscara pode eliminar gotículas que alcançam uma distância de até 10 metros. Por isso, o uso é obrigatório. E como as máscaras não previnem totalmente a eliminação de gotículas, também é importante manter o distanciamento mínimo de dois metros entre as pessoas que estão correndo ou caminhando.

Sobre o desconforto que algumas pessoas sentem ao fazer atividade física de máscara, o médico explica que o ideal agora é reduzir a carga do exercício, evitando aqueles que exijam uma alta performance do organismo. 

“Precisamos entender que a vida ainda não voltou ao normal, e os nossos hábitos têm que ser readequados para a realidade que estamos vivendo. Atividade física é importante para a saúde, sem dúvida nenhuma, mas ela precisa ser praticada com segurança. No caso, com utilização de máscara e com a redução da carga – tanto nas academias, em relação ao esforço que é feito em exercícios aeróbicos, musculação, quanto a céu aberto”, afirma Pereira.

Crianças e piqueniques

José Rodrigues Pereira reforça que a permissão para frequentar ambientes abertos não é sinônimo de que as aglomerações estão permitidas. “Claro que ambientes maiores permitem que mais pessoas utilizem o espaço, mas sempre é necessário cuidado com relação à utilização de máscara e manter uma distância segura”, afirma.

Para quem pretende levar as crianças aos parques, o médico afirma que os responsáveis precisam redobrar os cuidados e atenção. “Crianças pequenas têm dificuldade de usar máscara e o grau de compreensão dessa necessidade é completamente diferente da de um adulto”, afirma Pereira, ressaltando ainda o fato de que os pequenos podem ser portadores assintomáticos do vírus e levá-lo para casa. Ele frisa que, nesse período, não é indicado o uso de brinquedos coletivos e aparelhos de ginásticas de uso comum para adultos, e que o ideal é que fiquem lacrados.

Sobre os piqueniques, o especialista diz que esse tipo de atividade pode acontecer, desde que sejam tomadas todas as medidas de segurança. “O que eu recomendo é que reúna apenas pessoas de uma mesma família, que moram na mesma casa”, explica. Isto porque durante a refeição –  e isso vale para restaurantes e bares –, não é possível usar máscara e há objetos que são compartilhados, como garrafas, por exemplo.

“Há documentação científica provando que as superfícies são um grande ambiente para contágio. Ao reunir num piquenique pessoas de outro núcleos familiares pode haver alguém numa fase pré-sintomática ou assintomático que pode transmitir o vírus ao manipular determinados produtos.”

A orientação é para que a higiene das mãos seja reforçada e que a distância entre as pessoas seja respeitada. E que a máscara só seja retirada na hora de comer.

E para quem enxerga no início da reabertura gradual da cidades uma razão para relaxar também a prevenção, o pneumologista faz um alerta: “Seguir as medidas de segurança é fundamental para que possamos manter a liberdade de fazer determinadas atividades e tentar levar a vida o mais próximo possível do normal, ainda que mantendo os cuidados necessários”.  

Volta às aulas: como manter o sistema imunológico forte no período

Os primeiros dias de retorno escolar são uma mistura da euforia das crianças para rever os amigos e preocupação dos pais com as possíveis doenças do início do ano letivo. O contágio nas escolas acontece mais facilmente no período de volta às aulas devido à maior exposição aos micro-organismos.

Para fortalecer o sistema imunológico é fundamental se alimentar bem e garantir uma dieta rica em nutrientes e vitaminas. De acordo com Delmir Rodrigues, endocrinologista e nutrologista pediátrico e do adolescente do Hospital Anchieta, manter o corpo hidratado e fazer visitas periódicas ao médico para acompanhar a saúde são medidas que ajudam a prevenir doenças no início do ano letivo.

Por que é comum o surgimento de doença na volta às aulas?

Com o retorno das atividades escolares, o contato com outras crianças propicia a exposição a microrganismos (bactérias e vírus) que são responsáveis pelo contágio nas escolas. Segundo o endocrinologista, é comum no período de férias as crianças e adolescentes terem uma rotina diferente a do período escola, o que pode resultar em alterações no sistema imunológico no início do ano letivo. Por isso, é importante que, uma semana antes da volta às aulas, haja um processo de readaptação em relação quanto aos horários e ajustar o período de sono.

Como prevenir o contágio na escola?

Nas escolas, é fundamental que haja o estímulo e a orientação para higienização correta das mãos, bem como propiciar ambientes adequados, com boa iluminação e arejado.

A seguir, algumas dicas do especialista:

– Lavar as mãos antes e após usar o banheiro;

– Lavar as mãos antes e depois das refeições;

– Higienizar as mãos com álcool em gel, sempre que necessário;

– Ao tossir ou espirrar, tentar cobrir a boca ou nariz com o antebraço para evitar disseminar partículas no ar;

– Evitar roer as unhas e levar as mãos à boca.

E os pais?

De acordo com Rodrigues, os pais devem tentar manter uma alimentação balanceada e adequada a idade, rica em todos os nutrientes, priorizando a hidratação. ”É importante consultar um pediatra antecipadamente, para avaliação da saúde da criança, bem como o dentista. Atentar para a atualização do cartão de vacinas e, caso o filho esteja doente, comunicar a escola e postergar o retorno do mesmo, evitando a exposição com quem divide o mesmo ambiente”, completa.

Alimentação e sistema imunológico

Não há alimentos específicos para melhora da imunidade. Recomenda-se uma dieta balanceada, com muitas frutas e saladas e priorizar a hidratação. Evitar alimentos industrializados em excesso.

Dicas para pais de primeira viagem

O desenvolvimento da imunidade do ser humano se completa no final da primeira da infância. O contato muito precoce com ambientes e aglomerações pode propiciar uma incidência maior de doenças. “Atentar para sinais de gravidade como tosse produtiva, febre de difícil controle e vômitos e diarreia, com risco de desidratação. Sempre que necessário procurar atendimento com pediatra”, ressalta o endocrinologista do Hospital Anchieta.

Muito se propagou na última década a “Teoria da Higiene“, onde acreditava-se que quanto menos exposta a um ambiente com micro-organismos em excesso, a criança ficaria menos doente. Hoje é de conhecimento público que essa exposição é benéfica, desde que não seja em excesso, pois propicia um desenvolvimento adequado da imunidade, evitando doenças graves.