Arquivo da tag: Outubro Rosa

Outubro Rosa: incidência de câncer de mama seguirá alta, e diagnóstico precoce é o caminho para salvar vidas

Outubro é o mês dedicado à conscientização sobre o câncer de mama, segunda doença mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo. Com o processo de envelhecimento da população, a incidência deste tipo de tumor continuará alta, e o diagnóstico precoce é o caminho para reduzir o número de mortes – que chega a 16,5 mil por ano no Brasil.

Para falar sobre os avanços no diagnóstico e tratamento da doença no país, o Saúde da Saúde conversou com o mastologista Henrique Salvador, coordenador do serviço de mastologia e presidente da Rede Mater Dei. Ex-presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia e vice-presidente da Sociedade Mundial de Mastologia, Salvador foi eleito um dos 100 nomes mais influentes da saúde no último ano.

Fundador e primeiro presidente da Escola Brasileira de Mastologia, hoje é também conselheiro da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp).  Leia a entrevista na íntegra:

Qual o panorama do câncer de mama hoje no Brasil? Houve aumento ou redução do número de casos com relação aos anos anteriores? 

Henrique Salvador: O câncer de mama é o que mais acomete a mulher brasileira depois do câncer de pele. A estimativa é de 59,5 mil novos casos neste ano. São 16,5 mil mortes por ano em decorrência da doença. É uma doença muito prevalente e importante no mundo inteiro, não só pela gravidade com que se apresenta, mas até para o que a mama significa para a sexualidade e para a identidade feminina. Infelizmente, a doença continuará com incidência elevada, porque a população está envelhecendo. As pessoas vão viver mais, e com isso vão ter mais câncer, mas dá para aumentar o número de diagnósticos precoces. Em países como Inglaterra, Suécia e Estados Unidos a incidência continua grande, mas houve queda na mortalidade da doença porque investiram no diagnóstico precoce.

Quais os avanços mais importantes no diagnóstico e prevenção nos últimos anos? 

Henrique Salvador: A mulher hoje tem acesso ao estado da arte em diagnóstico e tratamento no Brasil e pode tratar qualquer estágio da doença da mesma maneira como trataria em qualquer país. Houve vários avanços no diagnóstico: há exames genéticos que a mulher pode fazer quando jovem para ver se tem alguma mutação nos cromossomos, há equipamentos de imagem muito sensíveis e de alta resolução que detectam a doença num estágio muito inicial. Exames como a tomossíntese, a mamotomia e a ressonância nuclear magnética da mama também são um avanço e podem ser utilizados, caso necessário, para detalhar o diagnóstico dependendo das características da paciente e da mama. O exame de ultrassom complementa a mamografia, e a ressonância também pode ser usada como complemento no caso de quem tem histórico familiar, por exemplo, para detectar a doença o mais precoce possível. 

E com relação ao tratamento?

Henrique Salvador: O tratamento é composto pelo trio cirurgia, radioterapia e medicamentos. Nas últimas décadas, caminhou-se para um tratamento menos agressivo, mais conservador. Antigamente, era oferecido o máximo de tratamento que a mulher tolerasse, e hoje é dado o tratamento mínimo necessário para controlar e tratar a doença. Antes, na maioria dos casos, era feita a mastectomia (retirada total da mama), e hoje é o inverso: na maioria das situações se conserva a mama e se retira apenas o tumor com uma margem de segurança ao redor. Com isso, os efeitos colaterais são muito menores. A radioterapia aumenta a eficiência do tratamento no local. Com relação ao tratamento com medicamentos, ele pode ser composto por quimioterapia, hormonioterapia e tratamento imunológico (vacinas). Pode ser que não precise usar nenhum medicamento, isso vai depender de uma série de informações que o tumor fornece a partir da análise dos genes do tumor e avaliação das proteínas do tumor, por exemplo. O câncer de mama não é a mesma doença para toda mulher, ele acomete as mulheres de formas diferentes.  

No Mater Dei, quais as tecnologias e iniciativas de destaque no tratamento e prevenção do câncer de mama?

Henrique Salvador: Temos todo o parque diagnóstico necessário para diagnosticar a doença como em qualquer grande centro do mundo. Para o tratamento, temos até uma sala de cirurgia dentro da área de radioterapia, ambulatório para radioterapia e quimioterapia e uma equipe multidisciplinar com 20 mastologistas e profissionais de diversas áreas – médicos nucleares, oncologistas clínicos, fisioterapeutas, psicólogos, entre outros que se reúnem semanalmente para discutir os casos e se atualizar. 

Já foi a época em que um único profissional conduzia o tratamento. Um time articulado e habituado a trabalhar junto com base em protocolos, na literatura e na experiência faz toda a diferença para o diagnóstico precoce e para tranquilizar a paciente. Temos também investido bastante em ensino e pesquisa, com linhas de pesquisa em andamento, um centro de estudos e uma residência em mastologia reconhecida pelo Ministério da Educação com mais de 40 residentes de mastologia formados e três em fase de formação. 

No estudo da doença, já foi identificado algum fator de risco mais relevante ou medida de prevenção mais eficaz?

Henrique Salvador: A maioria dos casos de câncer de mama é causada por fatores comportamentais relacionados aos hábitos, e a menor parte tem origem hereditária. É fundamental o diagnóstico precoce: uma vez por ano, as mulheres a partir dos 40 anos devem fazer a mamografia. Hábitos de vida saudáveis como ter uma dieta mais rica em vegetais e frutas e praticar exercícios físicos reduzem o risco não apenas da incidência de câncer de mama, mas de outras doenças como as cardiovasculares. 

O Outubro Rosa é uma oportunidade de chamar a atenção para a importância do diagnóstico precoce. Muitas mulheres ainda evitam fazer a mamografia com medo de descobrir que têm a doença, mas quanto antes o diagnóstico é feito, maior a chance de salvar mais vidas.

Outubro Rosa: doação de perucas e lenços ajudam mulheres com câncer de mama no Brasil

O câncer de mama faz parte da realidade de muitas mulheres. Os dados mais recentes revelam que em 2016 foram diagnosticados 57.960 casos no Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Ele é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no país, vindo logo após o de pele não melanoma.

O mês de Outubro se tornou o mês para conscientização e prevenção da doença, mais conhecido como “Outubro Rosa”, por isso várias ações são feitas durante o mês.

Doação de cabelo e criação de perucas

Recentemente na Beauty Fair, maior evento de beleza da América Latina, o projeto “Solidariedade em Fios” reuniu cerca de 80 mulheres que cortaram o cabelo para doação ao Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo. O lugar transforma as mechas doadas em próteses capilares para pacientes em tratamento de câncer.

Aline Maeshiro foi uma das doadoras. Ela estava com um cabelo até o fim das costas e resolveu doar 42 centímetros de mechas, deixando o cabelo bem curto. Foi a maior doação que o projeto teve no dia, gerando um grande material para a construção de perucas.

Como doar cabelo

As pessoas interessadas em participar do projeto podem enviar suas mechas pelos Correios para o Fundo Social (Avenida Morumbi, 4.500, 2º andar, sala 232, São Paulo, SP, Cep 05650-905) ou entregá-las pessoalmente na Escola de Beleza (Condomínio Edifício Água Branca – 73, R. Coriolano, 631 – Água Branca, São Paulo). A única exigência é que as madeixas estejam limpas, secas, amarradas, dentro de um saquinho e que tenham no mínimo 15 centímetros. Ainda existe a possibilidade de o doador cortar o cabelo gratuitamente na própria Escola.

Doação de lenços

Outro projeto que apoia a causa é o Instituto Quimioterapia e Beleza (IQeB). O instituto faz mensalmente uma doação com cerca de 700 lenços para o projeto De Bem Com Você – A beleza contra o câncer, coordenado pelo Instituto Abihpec (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos), o qual promove oficinas de automaquiagem à mulheres que estão em tratamento contra o câncer.

O IQeB foi idealizado pela blogueira e ativista Flávia Flores, com uma história de superação que incentivou a criação do projeto. Formada em Administração, ela já trabalhou em grandes empresas do mercado de moda nacional e internacional. Em 2012, Flávia foi diagnosticada com câncer de mama e foi quando resolveu criar o inédito projeto “Quimioterapia e Beleza”. Em 2013, ela publicou o best seller homônimo, e em 2015 inaugurou o IQeB, e desde então ajuda mulheres que estão na luta pela cura do câncer, igual ela passou.

Má Mascarenhas, uma das presenteadas, postou sua alegria nas redes sociais, com um depoimento em agradecimento aos lenços que ganhou.

“Não sei como agradecer o carinho e o acolhimento de pessoas que nunca me viram. Quando o chão se abre e parece que a queda não vai ter fim, aparece uma página amiga, com pessoas que enxugam suas lágrimas e que você ajuda a enxugar lágrimas também. Você descobre que a maior arma contra o que vai enfrentar é a resistência, a perseverança, a resiliência e sua fé.”

Para Má Mascarenhas, receber o lenço foi como receber um troféu. “Meu troféu, que eu vou erguer e amarrar no alto da minha cabeça e ficar linda para enfrentar o que tiver de enfrentar”, afirma.

Como doar lenços

As pacientes conseguem solicitar ou doar pelo site: www.bancodelencos.com.br. Quando solicitam, elas têm opção de descrever como são e como querem o seu lenço. Antes do envio, que é gratuito, existe um processo operacional que consiste no armazenamento dos lenços, novos ou usados, triagem, higienização, embalagem, separação de pedidos e postagem, além de fazer uma mensagem específica para cada mulher.