Arquivo da tag: segurança

Volta ao escritório: como manter o coronavírus longe do ambiente de trabalho

Algumas cidades iniciaram a reabertura gradual de empresas, e parte da população está retornando aos poucos ao trabalho nos escritórios. Mas, como o coronavírus ainda está circulando e não há vacina nem medicamento comprovadamente eficaz contra a covid-19, a rotina trabalho será bem diferente do que era antes da pandemia.

A infectologista e consultora da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), Camila Almeida, explica quais são essas orientações para empresas e profissionais se prevenirem e deixarem o coronavírus longe do ambiente de trabalho. Confira abaixo: 

Manter o distanciamento social

Como a distância física entre as pessoas ainda é a medida mais eficaz para evitar a transmissão do coronavírus, a preferência deve ser pelo trabalho remoto sempre que possível. A recomendação vale, especialmente, para profissionais que estão no grupo de risco para covid-19 ou que moram ou cuidam de pessoas mais vulneráveis – idosos, doentes crônicos, gestantes de alto risco, diabéticos e pessoas com imunidade baixa. 

Para quem precisa voltar ao escritório e utiliza o transporte público, a orientação para as empresas é flexibilizar o horário de entrada e saída, para que os funcionários não tenham que circular nos períodos de pico, quando ônibus e trens estão mais cheios. 

No convívio dentro do escritório, a distância mínima entre as pessoas deve ser de pelo menos um metro. Isso pode pedir a reorganização das estações de trabalho, dos espaços de uso comum, do acesso e circulação, demarcando os espaços que precisam ficar vazios. 

Se o espaço não permitir o distanciamento de um metro entre as estações de trabalho, é necessária a instalação de barreiras físicas, como divisórias transparentes ou uso de viseiras tipo face shield.

As salas também devem ficar mais ventiladas, deixando, sempre que possível, as janelas abertas para a circulação do ar. Manter as portas abertas vai evitar o toque nas maçanetas. Ainda é fundamental evitar a aglomeração de pessoas, por isso a preferência por reuniões virtuais, por telefone ou videoconferência, deve ser mantida.

Os profissionais devem relatar para a empresa qualquer sintoma sugestivo de covid-19 (febre, tosse, coriza, dor no corpo, dor de cabeça, perda de olfato ou paladar). E a indicação é que o home office seja adotado até que o diagnóstico seja esclarecido – se for confirmado, é importante respeitar o afastamento de 14 dias, seguindo as orientações médicas.

Higiene e uso de máscaras

As medidas de higiene, que são necessárias também fora do ambiente de trabalho, devem ser reforçadas para reduzir o risco de contágio dentro da empresa:

  • Evitar tocar nos olhos, boca e nariz
  • Não ter contato físico, como aperto de mãos, abraços ou beijos
  • Ao tossir ou espirrar, cobrir o rosto com um lenço de papel descartável ou com o braço flexionado 
  • Lavar as mãos antes do início do trabalho, após tossir, espirrar, usar o banheiro, tocar em objetos de uso comum, dinheiro, antes das refeições, após tocar lixo, restos e sobras.

É importante que o álcool em gel esteja disponível para todos, na entrada do escritório, nas áreas comuns e, se possível, em todas as estações de trabalho, assim como borrifadores de álcool 70% para que os profissionais possam fazer a limpeza de telefones, mesa e teclados quando acharem necessário. É recomendada a higiene desses itens pelo menos duas vezes por turno de trabalho.

Outra ação importante é o uso correto das máscaras. É importante lembrar que as máscaras não reduzem ou substituem a necessidade das medidas de higiene e distanciamento.

A recomendação é ficar de máscara de tecido durante o turno de trabalho. Ela só pode ser retirada caso o profissional esteja sozinho no ambiente. Caso haja necessidade de qualquer aproximação mínima de 1 metro, é preciso usar máscara. 

Vale lembrar que as máscara de pano devem ser trocadas a cada 3 horas ou se estiverem úmidas. Aferir a temperatura dos funcionários na entrada pode ser uma medida a mais de segurança e deve ser realizada com termômetro digital, evitando o contato. 

Alimentação 

É importante controlar o número de pessoas nas copas e áreas de café, já que são locais onde as pessoas estarão sem máscaras por causa da alimentação. O número mínimo vai depender do tamanho dos espaços para que o distanciamento seguro seja respeitado. Se não for possível manter distância de ao menos um metro de outra pessoa, então o indicado é que seja permitida a permanência de apenas uma pessoa por vez.

É indicado que as empresas também tenham nesses espaços borrifadores com álcool em gel para que seja feita a higiene das mesas e de áreas muito tocadas, como o display do micro-ondas. Após as refeições, o ambiente deverá ser higienizado, assim como cadeiras e mesas.  

Já os funcionários devem observar os seguintes cuidados durante a refeição: não compartilhar talheres, pratos ou copos e nem alimentos. Cuidado também com as embalagens que chegam de fora. Elas devem ser removidas e descartadas antes de armazenar os produtos no local de trabalho.

Não é recomendado o uso de bebedouros nos quais é preciso beber água diretamente com a boca. O ideal é que as empresas removam ou lacrem esses equipamentos. Se o bebedouro for acionado por botões ou torneiras, a orientação é sempre higienizar as mãos antes e depois do contato. E vale ressaltar que o uso dos copos deve ser individual.

Banheiros

As empresas devem garantir a limpeza frequente dos banheiros e realizar o controle de acesso, com orientação aos funcionários sobre a restrição do número de pessoas ao mesmo tempo dentro do ambiente. 

Evite tocar diretamente maçanetas das portas – se possível, tente abri-las com o cotovelo – e sempre lave as mãos com água e sabão depois de ir ao banheiro.

Doação de sangue em tempos de Covid-19

No mês em que se comemora o Dia Mundial do Doador de Sangue (14/6), os responsáveis pelos hemocentros dos hospitais pedem aos doadores para que voltem a fazer coletas regulares. E acrescentam que os hospitais estão preparados para recebê-los com toda segurança em relação à covid-19. 

“Em meio à pandemia do coronavírus e com o movimento de isolamento social, nós tivemos uma queda importante do número de doadores de sangue — todos os hospitais do Brasil estão passando por isso”, afirma o hematologista e presidente do Comitê Transfusional do Vera Cruz Hospital (Campinas – SP), Gustavo de Carvalho Duarte.

“Agora, com a volta das cirurgias eletivas e dos tratamentos que não podem mais ser adiados, existe uma demanda maior por transfusões de sangue e, com isso, necessitamos que os doadores retomem suas atividades de doação de sangue regular”, prossegue.

Os bancos de sangue se prepararam para este momento, com medidas que garantem a segurança dos doadores no contexto da pandemia — como agendamento de doações, maior espaço entre as pessoas, equipamentos de proteção individual, coletas em locais espaçosos e, claro, utilização de máscaras e álcool em gel. “É um processo seguro, e os doadores vão poder ajudar pessoas que estão precisando muito.”

Mobilização

“Assim como enfrentamos a letalidade do vírus e a escassez de leitos de terapia intensiva, temos que entender que se não houver uma mobilização social promovendo a doação de sangue, teremos um grande adversário pela frente”, diz Duarte. 

 Segundo o hematologista, a cada dez segundos, uma unidade de sangue é transfundida no Brasil. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que, para atender a todos os pacientes que precisam de sangue, seriam necessárias doações regulares de aproximadamente 4% da população. 

“Em um primeiro olhar este número parece algo fácil de ser atingido, mas a realidade não é bem esta. Atualmente, no Brasil, somente 1,6% da população faz doações de sangue regular. Este descompasso nos coloca em uma situação perigosa, na qual podem existir pessoas precisando de sangue, e os bancos sem sangue para atendê-las”, afirma.

Parto humanizado: o que você precisa levar em conta na hora da escolha

Além de ter uma gestação saudável, o desejo de toda mãe é o de que a chegada do bebê aconteça da melhor forma possível e que seja repleto de amor e afeto. O parto é um momento de grande intensidade para a mulher, que pode marcá-la para sempre de uma forma positiva ou negativa, o que dependerá de como será conduzido.

O parto humanizado surge como uma alternativa que garante conforto e segurança tanto para mãe como para o bebê. De acordo com informações do Ministério da Saúde, durante o trabalho de parto, a mulher tem direito a um ambiente acolhedor e a presença de um acompanhante. Muito se fala sobre a humanização do parto, porém o termo não se refere a um tipo de parto e, sim, às suas características com um padrão de qualidade que respeita a mulher e o bebê.

O que é parto humanizado?

O parto humanizado é um modelo de atenção, no qual a mulher é a protagonista e é empoderada. Esta proposta, ao contrário do que muitos pensam, não se refere somente ao parto natural, excluindo as cesarianas. Como o próprio nome diz, o parto humanizado propõe humanizar aquele momento do nascimento do bebê, seja em parto normal ou cesariana. Isso inclui promover à gestante um ambiente acolhedor, oferecer a presença de um acompanhante que possa lhe transmitir segurança e confiança e ser informada sobre os procedimentos, que deverão ser autorizados ou não por ela a serem realizados. Além disso, o parto deverá seguir as evidências científicas e os mais altos padrões de qualidade, de acordo com as normas técnicas e recomendações do Ministério da Saúde.

Você sabe o que é violência obstétrica?

O parto humanizado surgiu como uma luta em busca de empoderamento e contra a violência obstétrica que, infelizmente, ainda se faz presente no mundo todo. Este tipo de violência pode ser físico, verbal ou psicológico, além de negligência ou discriminação. Alguns exemplos de violência obstétrica são: ameaças, gritos, omissão de informações, não permitir acompanhamento e não receber alívio da dor.

Outros tipos de violência obstétrica são a episiotomia, o corte no períneo (região entre o ânus e a vagina), para ampliar o canal no parto normal, que em muitas vezes é feito como rotina, sem a autorização da mulher, além de cesarianas em que não há necessidade de realização.

Caso alguma mulher sofra este tipo de violência, ela ou a família podem denunciar no próprio estabelecimento ou na secretaria municipal/estadual/distrital, nos conselhos de classe – CRM quando for médico e COREN quando for por enfermeiro – e pelo 180 ou Disque Saúde 136.

Caderneta da gestante

No intuito de ampliar o debate sobre o assunto e munir as mulheres de informações sobre os seus direitos, o Ministério da Saúde lançou a Caderneta da Gestante. No conteúdo que pode ser facilmente baixado no site do órgão, constam todas as leis que protegem a mãe e o bebê, além de informações sobre o pré-natal, partos, amamentação, entre outras. Para baixar o e-book, clique aqui.