Arquivo da tag: sintomas

Cinco fatos sobre o coronavírus que é importante saber

O Brasil registrou nesta quarta-feira (26/2) o primeiro caso de infecção pelo novo coronavírus. O homem de 61 anos que mora em São Paulo e esteve recentemente na Itália também é o primeiro caso da doença na América Latina. Descoberto na China, na província de Hubei, o vírus tem se espalhado para outros países, e em todo o mundo já são mais de 80,9 mil casos segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O diretor da OMS, Hans Kluge, afirmou que “não há necessidade de pânico”, pois a letalidade do vírus é de apenas 2%. “Lembrem-se que quatro de cada cinco pacientes têm sintomas leves e se recuperam”, afirmou.

O coronavírus foi tema de um talk show no Hospital Sírio-Libanês (HSL) no dia 11 de fevereiro. Participaram do evento os médicos que fazem parte do Centro de Infectologia do HSL, anunciado oficialmente na mesma ocasião. Os infectologistas esclareceram algumas questões sobre o coronavírus e responderam às dúvidas do público. Veja abaixo cinco fatos sobre o coronavírus que a população deve saber:

Qual a origem do vírus?
Os coronavírus pertencem a uma família de vírus que tem esse nome porque são esféricos e com várias espículas em seu contorno, assemelhando-se a uma coroa – “corona”, em latim. De um modo geral, infectam animais como morcegos, gatos selvagens, porcos e dromedários. “O vírus só infecta humanos quando consegue ter mutações para se ligar a receptores de células do trato respiratório humano”, explicou o infectologista Antonio Carlos Nicodemo. Ao todo, já foram identificados sete coronavírus que causam infecção em humanos.

Qual a letalidade do novo coronavírus?
A epidemia de SARS, a síndrome respiratória grave por coronavírus, que ocorreu em 2002 e também se iniciou na China, teve uma letalidade de 9,6%. Dez anos depois, em 2012, uma outra epidemia por coronavírus que começou na Arábia Saudita foi chamada de síndrome respiratória do Oriente Médio. Assim como a SARS, ela também se espalhou por outros continentes e atingiu uma letalidade de 34,4%. O novo coronavírus foi identificado após casos de pneumonias na China, que foram relacionados ao mercado de uma cidade onde eram vendidos animais selvagens e também alguns alimentos. Uma semana depois de descobrir o vírus, já havia sido feito o seu sequenciamento genético e, por enquanto, se estima a letalidade entre 2% e 3%. “Parece uma letalidade bem inferior aos outros dois surtos de 2002 e 2012”, afirma Nicodemo.
Sobre as chances de contágio, ainda não há um dado específico do novo coronavírus. Para título de comparação, a epidemia de SARS teve cerca de 8 mil casos confirmados, e o novo coronavírus já ultrapassou 80 mil no mundo.

Quais são os principais sintomas?
A doença tem características clínicas muito parecidas com uma gripe habitual. “Os sintomas principais são febre muito elevada, tosse pouco produtiva e dificuldade respiratória. Uma quantidade muito grande de pacientes evolui com dificuldade de respiração. Chamamos isso de dispneia, ou seja, a pessoa sente falta de ar”, explica a infectologista Maria Beatriz Gandra Souza Dias.
No início da epidemia, em torno de 25% dos casos eram mais graves e com necessidade de internação. Ao longo do tempo, isso foi diminuindo, afirma a especialista. “De acordo com o último trabalho publicado, atualmente, cerca de 5% são casos graves”, afirma Maria Beatriz.
Ela explicou ainda que um número menor de casos pode ter desconforto digestivo, com ocorrência de diarreia entre 5% e 10% dos pacientes.

Existe alguma vacina?
A vacina é sempre a situação ideal para a prevenção de qualquer agente infeccioso. Cientistas do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês) divulgaram um boletim afirmando que devem começar a testar vacinas contra o novo coronavírus em humanos dentro de até três meses. “Mas não vai ser algo rápido. Começam os testes em cerca de três meses e, num cenário muito otimista, com todas as fases para liberação e produção de uma vacina, isso poderia durar cerca de um ano”, afirma a infectologista Tânia Mara Varejão Strabelli.
Até o momento, não há um tratamento específico para o novo coronavírus. Os pacientes recebem medicação para o alívio dos sintomas e suporte de terapia intensiva quando têm dificuldade de respirar.

Como posso me proteger?
Há alguns cuidados simples que podem reduzir as chances de contágio: evitar contato direto com pessoas que tenham sinais de infecção respiratória, cobrir nariz e boca quando for tossir ou espirrar e higienizar as mãos com frequência utilizando água e sabão ou álcool em gel – principalmente após tossir ou espirrar.
A OMS recomenda evitar viagens para a província de Hubei, na China, onde fica a cidade de Wuhan, considerada o epicentro do novo coronavírus.

Quer saber mais? Você pode assistir ao talk show completo no canal do YouTube do HSL.

Varizes pélvicas: saiba quais são as causas, os sintomas e tratamentos

Segundo a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), varizes são veias superficiais que fazem circular sangue venoso, e se encontram dilatadas, tortuosas ou alongadas. Essas condições atrapalham a circulação do sangue de volta ao coração. Quando isso ocorre, as veias tornam-se muito visíveis a olho nu, e os principais sintomas são cansaço e principalmente a sensação de queimação. Tais sintomas variam de acordo com a região que a varize aparece. É o caso das varizes pélvicas.

Caracterizada pelos mesmos sintomas em relação às alterações fisiológicas das veias, a varize pélvica pode causar outros transtornos, como a presença de varizes na região genital e dor e incômodo após a relação sexual. Ainda segundo a SBACV, o quadro de veias inchadas na região vaginal pode se agravar durante o período de menstruação, causando dores abdominais antes do ciclo iniciar. Em casos mais atenuados, pode ser percebido incontinência, sangramento intenso durante a menstruação e uma sensação que é descrita pelas pacientes como “peso no abdômen”.

Como surgem as varizes pélvicas e como é feito o diagnóstico?

A varize pélvica é estudada há pouco tempo no campo da medicina vascular. Isso porque muitas pacientes acreditam que o desconforto que sentem na região abdominal e pélvica, principalmente no período menstrual, são normais e, por isso mesmo, deixam de relatar nas consultas de rotina. Ainda assim, estima-se que cerca de 30% das mulheres possuem algum estágio de varize pélvica. 

Falar em “fatores de risco” é difícil, sendo que diversos fatores “comuns” podem desencadear as varizes pélvicas. A gravidez, por exemplo, é um desses fatores: mudanças químicas no organismo da mulher fazem com que as veias da região inferior do corpo irriguem muito mais sangue para o feto e, após o parto, pode surgir a varize. Mulheres com histórico de varizes nas pernas ou glúteos também podem desenvolver a mesma condição na região pélvica.

Justamente por diversos fatores contribuírem com a condição, é preciso que as mulheres fiquem atentas às dores na região vaginal após a relação sexual (que é o sintoma mais comum da varize pélvica) e que procurem um médico imediatamente. Numa consulta especializada, ele pode usar um ultrassom endovaginal para diagnosticar as varizes com antecedência, evitando o desconforto dos sintomas. 

Como é feito o tratamento?

Após diagnosticada, a paciente com varize pélvica será medicada nos períodos sintomáticos. Uma opção de tratamento eficiente é o uso da progesterona. Esse hormônio diminui a ovulação e, consequentemente, diminui consideravelmente a quantidade de sangue irrigado pelas veias pélvicas, aliviando os sintomas e evitando que outras varizes apareçam no mesmo lugar.

O tratamento medicamentoso, porém, alivia os sintomas e controla as varizes pélvicas. O melhor tratamento segue sendo o procedimento cirúrgico. Pouco invasivo, a operação consiste na dilatação do vaso rompido. O procedimento é rápido, com alto índice de resolução e de recuperação breve.

O que é Diabetes e como é feito o tratamento

Pacientes portadores da síndrome metabólica possuem um pouco de dificuldade em explicar para outras pessoas o que é diabetes. Assim como diversos tipos de doenças, existem vários tipos de diabetes e diferentes formas de tratá-la.

De forma fácil e intuitiva, você vai conferir quais são os tipos de diabetes existentes, bem como os tratamentos mais adequados para cada um deles.

O que é diabetes?

Ele vem da falta de insulina no organismo, bem como a incapacidade de exercer sua função corretamente, aumentando a taxa de glicose (açúcar) no sangue.

A insulina é produzida pelo pâncreas, porém, quando o órgão não consegue fornecer a quantidade necessária, as células não são capazes de absorver o açúcar presente no sangue. Outro fator que acarreta ao problema está na forma incorreta do hormônio agir na corrente sanguínea, que também pode ser visto como uma resistência do pâncreas à insulina.

Quais os tipos de diabetes e sintomas?

vários tipos de diabetes, porém, há quatro principais: diabetes tipo 1, pré-diabetes, diabetes tipo 2 e diabetes gestacional. Assim como os sintomas, o tratamento para diabetes difere para cada tipo.

Diabetes tipo 1

O tipo 1 atinge de 5 a 10% dos pacientes portadores da síndrome. Ele acontece quando o pâncreas perde a capacidade de produzir insulina por causa de um problema imunológico. Os anticorpos veem aquilo como um organismo de ameaça, atacando os hormônios necessários para que a glicemia penetre nas células.

Dentre os sintomas estão:

Diabetes Tipo 2

Ao contrário da Diabetes tipo 1, o tipo 2 atinge 90% da população portadora da síndrome. Sua causa está ligada à diminuição e resistência de insulina. Outro fator importante está relacionado a possibilidade de agravamento do problema.

Pessoas com diabetes tipo 2 podem não apresentar sintomas por anos, porém, é possível que a resistência à insulina cause fome excessiva, sede, infecções de bexiga, rins e pele, embaçamento da visão, formigamento nos pés e problemas com a cicatrização de feridas.

Pré-diabetes

O pré-diabetes é um meio termo entre a síndrome tipo 2 e o saudável. Neste caso, não significa necessariamente que a pessoa tenha  diabetes.

Geralmente, os pacientes portadores do pré-diabetes não apresentam sintomas característicos. Porém, no caso de aumento de peso e quadro de diabetes na família, é importante procurar um médico para medir os níveis de glicose no sangue.

Diabetes Gestacional

Durante a gravidez, existe um aumento da resistência à insulina que pode ou não, persistir após o parto.

Nem sempre a síndrome apresenta sintomas, porém, o aumento da glicemia na gravidez pode fazer a mulher sentir:

  • Sede excessiva;
  • Fome excessiva;
  • Vontade constante de urinar;
  • Visão turva.

De acordo com Livia Faccine, endocrinologista do Hospital Santa Paula, membro da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), há também o diabetes tipo 3, que é pouco comum. “Ele está relacionado à falta de insulina, mas apenas no cérebro. A situação de resistência estaria implicada na degeneração dos neurônios”, comenta.

Como tratar diabetes?

Agora você sabe o que é diabetes e que há diferentes tipos da síndrome que afetam outros grupos. Porém, é importante ressaltar que o tratamento para diabetes também muda, podendo ser à base de aplicações de insulina. 

Confira a seguir o mais indicado, segundo a especialista:

Diabetes tipo 1

Os portadores de diabetes tipo 1 precisam de uma aplicação diária de insulina no tecido subcutâneo. Ela serve para que a glicose no sangue seja mantida em valores normais.

A insulina é geralmente aplicada em regiões específicas do corpo, como abdômen, coxa, braço, região da cintura, e glúteo.

O uso de medicamento via oral para diabetes do tipo 1 é exceção, por isso é importante ter orientação  médica. 

Diabetes Tipo 2

O diabetes tipo 2 geralmente vem acompanhado de problemas como sobrepeso, obrigando o paciente a cuidar não só dos níveis de açúcar no sangue, mas também da qualidade de vida como um todo.

Pré-diabetes

O pré-diabetes, na verdade, é uma junção de práticas diárias que servem para evitar que o problema evolua para um quadro pior. Entre elas estão o corte do cigarro e cuidados com a saúde bucal. Em alguns casos, o médico, juntamente com o paciente, podem decidir dar início a um processo envolvendo medicamentos para prevenir a evolução para o diabetes.

Diabetes Gestacional

O tratamento para diabetes Gestacional tende a medir os níveis de açúcar para averiguar como eles estão afetando a criança.

Além de exercícios físicos, alguns médicos podem indicar injeções de insulina para manter os níveis de açúcar no sangue baixo. Há também a possibilidade de um tratamento oral ser feito.